Veja a comparação das estruturas dos clubes do Rio

Os quatro grandes clubes do Rio saíram da inércia em termos de estrutura e disputam uma corrida para ver quem oferece as melhores condições de trabalho. A rivalidade pulsa antes de a bola rolar, em quesitos como qualidade do campo de treino; capacidade de prevenir lesões; hospedagem para jogadores; e localização do CT. Isso repercute no mercado da bola: quem oferece mais tende a atrair os jogadores de mais peso.

O maior salto de qualidade em 2016 foi do Fluminense, que inaugurou seu CT na Barra, após pouco mais de um ano de obras. O Flamengo, por sua vez, finalizou o Ninho do Urubu, em Vargem Grande e deixou os contêineres para trás.

– O mercado hoje tem uma leitura de que o Flamengo evoluiu muito e está no mesmo nível que os rivais de São Paulo e Minas – destaca Eduardo Uram, empresário de jogadores como Diego Souza e Wellington Nem.

Mesmo com menos recursos, Vasco e Botafogo evoluem. Em 2016, o clube da Colina inaugurou o centro de recuperação de atletas e um campo anexo, para amenizar o desgaste do gramado de São Januário. Já o Botafogo, com a retomada do Nilton Santos após a Rio-2016, voltou a dispor de três campos de treino e montará seu centro de referência para tratamento.

Além da melhoria de desempenho em campo, os clubes ganham reforço valioso, embora difícil de mensurar, na própria imagem. Quem tem mais cartaz pode levar a melhor na contratação de um atleta de peso.

– Não é preciso ser tudo ótimo. Basta um bom campo de treino, uma boa hospedagem – diz o ex-volante Marcos Assunção: – Ainda assim, o que mais pesa na escolha é o salário.

Confira a estrutura de treinos de Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco:

Campo de treino

Botafogo – O clube dispõe de três campos de medidas oficiais para treinos: um em General Severiano e dois no Nilton Santos. O primeiro é o que possui o gramado em pior estado, mas que acaba sendo utilizado em dias de atividades em tempo integral, quando o elenco fica hospedado no hotel do CT.

Flamengo – O time profissional do Flamengo tem a sua disposição cinco campos com medidas oficiais no Ninho do Urubu, que são usados também pelas equipes das categorias de base do clube. Além deles, há um campo soçaite e outro exclusivo para o treinamento de goleiros do Rubro-negro.

Fluminense – O clube conta atualmente com dois campos oficiais em ótimas condições, no novo CT. Um deles é aterrado, o que protege os jogadores da incidência de raios. A mudança para a Barra permitiu ao Tricolor deixar para trás o gramado das Laranjeiras, historicamente irregular.

Vasco – O clube da Colina é o que tem a estrutura de campo para treinos mais limitada, com apenas um oficial, o mesmo que usa para partidas dos profissionais e da base. Ano passado, o clube finalizou a construção de um campo anexo, de medidas reduzidas, para receber treinos táticos e técnicos.

Recuperação/tratamento de jogadores

Botafogo – O Alvinegro promete investir pesado para criar um centro de excelência em recuperação no Nilton Santos. Atualmente, já conta com aparelhos como o de termografia, o Normatec, que cobre o músculo estafado e acelera a recuperação; e o Powerplate, que trabalha com vibração corporal.

Flamengo – Em fevereiro de 2016, o Flamengo inaugurou o Centro de Excelência em Performance no Ninho do Urubu, liderado pelo médico Márcio Tannure. O clube aposta na análise do perfil genético de cada atleta para evitar lesões e conta com uma câmera hiperbárica e macas elétricas.

Fluminense – Antes limitada pelo espaço reduzido nas Laranjeiras, a infraestrutura de prevenção e recuperação dos jogadores tem recebido novos aparelhos depois da inauguração do centro de treinamento. Na última semana, o clube anunciou a chegada de novas macas elétricas. Mês passado, já havia comprado equipamento isocinético.

Vasco – O Cruz-maltino aposta no CAPRRES (Centro Avançado de Prevenção, Recuperação e Rendimento Esportivo), coordenado por Alex Evangelista, desde 2015. Em 600 m², destacam-se técnicas de eletroestimulação e aparelhos como a esteira Alter G, desenvolvida pela Nasa, e a piscina com recursos inteligentes.

Hospedagem para jogadores

Botafogo – O centro de treinamento em General Severiano conta com 12 quartos duplos e um para seis atletas, totalizando capacidade para 30 pessoas. Utilizado desde 2004, já serviu também de concentração do time antes das partidas. Atualmente, é usado apenas em dias de treino integral.

Flamengo – O Rubro-negro inaugurou em dezembro, no Ninho do Urubu, vinte e quatro suítes com duas camas de solteiro cada. Antes, o elenco era deslocado para hotéis próximos ao centro de treinamento para comer e descansar em dias de trabalhos em tempo integral.

Fluminense – O clube é o único grande do Rio que não tem hospedagem própria para seus jogadores. E não há previsão de quando ficarão prontos os quartos do novo centro de treinamento tricolor. Por enquanto, os atletas precisam se hospedar num hotel entre o treino da manhã e o da tarde.

Vasco – Reformada em 2015, a Pousada do Almirante, alojamento dos jogadores da base construído debaixo da arquibancada de São Januário, serve de hospedagem também para o time profissional em dias de treino em tempo integral. Há espaço para até 60 atletas, divididos em sete quartos.

Localização do CT

Botafogo – Em General Severiano, o acesso às vezes é dificultado pelo conhecido trânsito ruim em Botafogo e adjacências. Quando os treinos são realizados no Nilton Santos, a vida dos jogadores fica mais fácil por conta da ligação direta entre o estádio e a Barra, graças à Linha Amarela.

Flamengo – Isolado em Vargem Grande, o centro de treinamento do Flamengo é bem acessível para os jogadores, em sua maioria moradores da Barra e do Recreio. O acesso que antes era feito por uma estrada de terra batida, foi trocado ano passado por um caminho asfaltado até o estacionamento.

Fluminense – O novo centro de treinamento fica perto da Cidade de Deus, comunidade que tem tido episódios de violência recorrentes. Somente no ano passado foram dois casos de invasão por bandidos. No último, em dezembro, seguranças foram torturados antes de a polícia chegar.

Vasco – Apesar de distante da Barra, bairro em que vive a maioria dos jogadores, São Januário é considerado de fácil acesso, por estar próximo à Avenida Brasil e à Linha Vermelha. Mesmo ao lado da comunidade Barreira do Vasco, praticamente não tem registros de casos de violência com atletas.

Fonte: Extra

Compartilhar:

Comentários